Boa noite, seja bem vindo!


  • Psicoterapia de Adultos
    Psicoterapia de Adultos
  • Psicoterapia de casal
    Psicoterapia de Casal
  • Psicoterapia de crianças e adolescentes
    Psicoterapia de Crianças e Adolescentes
  • Programa de Orientação de Pais
    Orientação de Pais
  • Orientação Profissional
    Orientação Profissional
  • Iluminare: Grupo Psicoterapêutico para Crianças e Adolescentes
    Iluminare: Grupo Psicoterapêutico para Crianças e Adolescentes
  • Cineterapia
    Cineterapia
  • Grupos Terapêuticos
    Grupos Terapêuticos
  • Cursos e Palestras
    Cursos e Palestras
Anterior Próximo


Área de Atuação

Psicoterapia Individual

Psicoterapia de Adultos

Na psicoterapia de adultos, cliente e terapeuta, identificam qual é a verdadeira fonte de problemas e sofrimento, e assim, conseguem encontrar as melhores estratégias para solucioná-los. Durante este processo o cliente toma consciência de suas de suas crenças limitadoras e dos padrões comportamentais que ele vem seguindo e que estão até o momento impedindo-o de superar seus problemas e angústias. Deste modo, o adulto que se submete ao processo de psicoterapia encontra a possibilidade de fazer novas escolhas para sua vida, mais saudáveis e adaptativas, tornando-se instrumento de mudança e transformação para obtenção de bem estar e qualidade de vida.

Psicoterapia de Casal

Na psicoterapia de casal, busca-se o reconhecimento da dinâmica existente no relacionamento, e a partir deste se desenvolve um trabalho acerca das demandas e queixas existentes entre o casal, identificando em um primeiro momento a fonte de insatisfações e conflitos, para posteriormente se buscar a resolução destes de modo a responsabilizá-los pelas suas contribuições na existência e permanência dos mesmos. Em muitos processos de psicoterapia de casal é necessário se trabalhar o padrão de comunicação do casal, as expectativas de cada um sobre o outro, o nível de intimidade e transparência entre os parceiros, a sexualidade, os projetos de vida de cada um e a coerência destes com o projeto de vida familiar, dentre outras questões que são avaliadas de acordo com a necessidade de cada casal.

Psicoterapia de Crianças e Adolescentes

Na psicoterapia com crianças e adolescentes o psicólogo viabiliza a superação das dificuldades da criança, do adolescente e de sua família, sejam elas de caráter emocional, de relacionamento interpessoal ou outra. A presença e o engajamento dos pais no processo psicoterapêutico é fundamental para que mudanças positivas aconteçam na vida da criança e do adolescente.

A criança, o adolescente e sua família recebem cuidados e orientações que facilitam a adoção de novas posturas diante da situação problema, permitindo assim, a solução das dificuldades apresentadas, bem como a aquisição de novas formas de relacionamento, mais saudáveis e adaptativas, para a criança, o adolescente e sua família.

Metodologia e Técnica

As técnicas utilizadas no processo de psicoterapia de adultos e casais e nos grupos terapêuticos para adultos são diversificadas e planejadas de acordo com a demanda e necessidade de cada paciente, sendo que, estas estão pautadas nos Conceitos da Análise Transacional, nos Princípios Comportamentais e Cognitivos, nas contribuições da PNL e recursos da Hipnoterapia Ericksoniana, as quais são todas ferramentas psicoterapêuticas compreendidas como recursos práticos e objetivos, que permitem um resultado mais rápido e eficaz para as situações problemas que o paciente busca solucionar.

As técnicas utilizadas no processo psicoterapêutico de crianças e adolescentes, incluindo o trabalho em grupos terapêuticos e orientação profissional, possuem a particularidade da presença de recursos lúdicos e criativos, pois as crianças e os adolescentes exigem a presença destes recursos para a expressão autêntica de suas crenças, emoções e dificuldades, de modo que o processo de psicoterapia infantil e do adolescente é permeado pelo clima descontraído onde o brincar, os jogos, os temas lúdicos e os demais recursos utilizados promovem o exercício da expressão autentica do seu íntimo. Ademais, são utilizados com maior frequência os recursos de testes e escalas, em psicoterapia individual para uma avaliação mais precisa da queixa e demanda da criança e do adolescente.

Supervisão Clínica

A supervisão clínica é uma prática comum e necessária na área da psicologia, uma vez que o trabalho clínico se revela de modo complexo e exige um cuidado, ética e comprometimento com a vida daqueles que nos confiam suas maiores dificuldades e seus mais íntimos anseios de vida.

Assim, a supervisão clínica se caracteriza por reuniões e encontros onde um psicólogo orienta e auxilia outro profissional da psicologia na avaliação e condução do caso clínico, seja ele individual ou em formato de grupo terapêutico.

Deste modo, através do trabalho de supervisão clínica que realizo, tanto no contexto individual como nos grupos terapêuticos, busco fortalecer o conhecimento teórico do psicólogo supervisionado, auxiliá-lo a manter uma conduta ética, orientá-lo para garantir o melhor e mais adequado manejo das técnicas terapêuticas e contribuir para uma boa evolução do processo de psicoterapia daqueles pacientes que confiaram em mim e em minhas parceiras clínicas para o auxilio em suas dificuldades e, por conseguinte o alcance de um desenvolvimento pessoal, bem-estar e qualidade de vida.



Psicoterapia em Grupo

Grupos Terapêuticos

Nos grupos terapêuticos se objetiva a busca pelo desenvolvimento pessoal, a aquisição de autoconhecimento, a identificação de dificuldades e das possíveis estratégias de enfrentamento destas, entre outros. Estes processos se desenvolvem em uma dinâmica permanente e autêntica onde os próprios participantes criam uma espécie de galeria de espelhos, possibilitando um olhar para si mesmo e para o outro de um modo espontâneo que é realizado através de feedbacks, identificações e auxilio mútuo entre os participantes durante as atividades propostas. O formato, o público e o objetivo de cada grupo terapêutico são únicos e particulares, criados de acordo com a especificidade da demanda encontrada no grupo e assim estes grupos terapêuticos podem ser criados para crianças, adolescentes, adultos, casais, pais, famílias, entre outros.

Um Olhar para o Futuro: Orientação Profissional em Grupo

O trabalho de Orientação Profissional se desenvolve em módulos, os quais podem ser realizados em duas modalidades: grupo ou individual. O intuito deste trabalho é auxiliar os jovens a compreender sua situação específica de vida, buscando esclarecer suas dúvidas com relação a si mesmo, ao meio em que vive e ao mercado de trabalho e, assim, facilitar sua decisão sobre a escolha da profissão que mais se adequa as suas necessidades e desejos.

Desse modo, o adolescente que realiza um processo de Orientação Profissional é capacitado para fazer sua escolha de modo consciente, de acordo com suas necessidades e interesses pessoais e profissionais, encontrando uma clareza racional e um equilíbrio emocional no momento de sua escolha.

Iluminare: Psicoterapia em Grupo para Crianças e Adolescentes

Este é um projeto de grupos psicoterapêuticos para crianças e adolescentes de 5 À 14 anos de idade que tem por objetivo auxiliá-las no seu processo de desenvolvimento, fomentando o autoconhecimento, a busca pela qualidade nas relações interpessoais, a superação dos desafios de crescer e se inserir no mundo, fortalecer a autoestima, os valores humanos e assim possibilitar que as crianças e os adolescentes exercitem a partir do amparo psicológico o desenvolvimento pessoal de um modo divertido e autêntico. Os Recursos para as Oficinas são diversificados e estruturados utilizando materiais como filmes, livros, metáforas e atividades criativas que permitam o desenvolvimento pessoal das crianças e dos adolescentes.

Colônia de Férias: Trabalhando as Emoções das Crianças

A Colônia de férias tem o objetivo de trabalhar com crianças de 5 à 12 anos de idade a partir de uma intervenção psicoterapêutica de grupo diversas questões, dentre elas às cindo emoções básicas descritas por Erick Berne: amor, alegria, raiva, tristeza e medo, durante uma semana.

Programa de Cineterapia

O Cinema funciona neste programa como um recurso lúdico extremamente rico para a produção de reflexões, insights e possíveis mudanças no âmbito emocional, cognitivo e comportamental de crianças e adolescentes. Este programa consiste em sessões de cinema acompanhadas por atividades criativas e lúdicas onde os temas centrais dos filmes elegidos são trabalhados em grupo possibilitando o autoconhecimento e o desenvolvimento pessoal das crianças e adolescente participante.

Programa de desenvolvimento para Casais

O Programa de desenvolvimento para Casais visa capacitar os indivíduos desta relação a identificarem quais são as reais dificuldades e impedimentos do relacionamento, de modo a levá-los para um mergulho profundo dentro de si mesmos e a responsabilizá-los pelas suas contribuições na existência e permanência dos conflitos, para que a partir deste movimento, o casal tome consciência de como surgem as dificuldades e assim possam encontrar maneiras mais saudáveis de lidar com estas, construindo deste modo uma nova relação.

Programa Saúde do Corpo e Da Mente

O Programa Saúde do Corpo e da Mente visa proporcionar reflexões importantes a cerca da relação dos indivíduos com a saúde do seu corpo, sendo que a identificação e o reconhecimento da relação que o indivíduo faz com sua alimentação, com o exercício físico e as diferentes formas de autocuidado com o corpo são os pontos de partida para este trabalho. Neste programa buscamos desenvolver a capacitar os indivíduos a obter uma relação mais adaptativa e saudável com alimentação, a atividade física e o cuidado do corpo em geral, o que resulta em benefícios e cuidado com a saúde mental.

Refletindo e Descobrindo a Sexualidade

Os Grupos de Sexualidade são voltados para crianças e adolescentes refletirem, problematizarem e se conscientizarem a respeito de sua sexualidade a partir de um olhar amplo sobre o tema, que envolve questionamentos sobre o gênero, a cultura, o corpo, a relação sexual, dentre outras questões significativas.



Cursos

Programa de Orientação de Pais: Limite e Afeto na medida certa!

Nos grupos terapêuticos se objetiva a busca pelo desenvolvimento pessoal, a aquisição de autoconhecimento, a identificação de dificuldades e das possíveis estratégias de enfrentamento destas, entre outros. Estes processos se desenvolvem em uma dinâmica permanente e autêntica onde os próprios participantes criam uma espécie de galeria de espelhos, possibilitando um olhar para si mesmo e para o outro de um modo espontâneo que é realizado através de feedbacks, identificações e auxilio mútuo entre os participantes durante as atividades propostas. O formato, o público e o objetivo de cada grupo terapêutico são únicos e particulares, criados de acordo com a especificidade da demanda encontrada no grupo e assim estes grupos terapêuticos podem ser criados para crianças, adolescentes, adultos, casais, pais, famílias, entre outros.



Teorias e Abordagens Psicoterapêuticas

A Psicoterapia

A psicoterapia é um método científico que tem o objetivo de auxiliar tanto adultos e casais, como crianças e adolescentes a superar situações de dificuldades persistentes, sejam elas no aspecto social, pessoal, familiar ou no âmbito do trabalho-estudo, ou ainda, é um instrumento para aqueles que desejam desenvolver o autoconhecimento, a autonomia, o desenvolvimento pessoal e uma maior qualidade de vida.

No processo psicoterapêutico é realizada uma avaliação precisa da fonte e origem das dificuldades e sofrimentos vivenciados pela pessoa, e a partir disto, o psicólogo viabiliza a superação das dificuldades apresentadas por meio de orientação e técnicas que facilitam a aquisição das novas posturas diante da situação problema, permitindo assim que a pessoa que buscou mudanças e transformações, as conquiste através destas novas condutas adquiridas no processo psicoterapêutico. Exponho aqui alguns referenciais teóricos e princípios que norteiam meu trabalho psicoterapêutico.

O Pensamento Sistêmico

O pensamento sistêmico é uma é uma maneira de se compreender a realidade da nossa sociedade, abordado toda a complexidade do desenvolvimento humano, passando então a olhar não apenas o indivíduo e as atitudes que este realiza por si só, mas principalmente o contexto em que o sujeito está inserido e como as relações são estabelecidas. Este pensamento contrapõe o que foi proposto por Descartes no século XX, que era a forma de abordar a realidade que visava a fragmentação e, portanto pode ser considerada uma forma reducionista de se analisar uma sociedade com tantas complexidades.

Hipnose

A hipnose é uma técnica usada desde a antiguidade por povos como egípcios, hebreus, babilônios, dentre outros. Na época era utilizada principalmente para doentes com distúrbios nervosos. Esta técnica ganhou força e crédito apenas nos século XX, passando a ser usada como um recurso quem não poderia se beneficiar de anestésicos, utilizando a técnica para alívio da dor, na clínica, na cirurgia, dentre outras situações. A hipnose no Brasil foi regulamentada em 1964 e passou a ser considerada pelo CFP como auxiliar do trabalho de psicologia somente no ano 2000.

Considerado o maior hipnoterapeuta do século XX Milton H. Erickson é uma autoridade no que se refere à hipnoterapia. Era médico e psicólogo, viveu de 1902 a 1980 nos Estados Unidos, lecionou psiquiatria nos anos 1920 e foi presidente da American Society for Clinical Hypinosis.

A hipnose é um estado de funcionamento da consciência diferente da vigília e do sono e que se caracteriza por um foco de atenção mais restrito, voltado para processos internos (circuitos neurais de memória) e em estreita cooperação com o operador. No transe o indivíduo é ensinado a responder a ideias, pensamentos, sentimentos, tão bem quanto na realidade objetiva.

- Mitos e Preconceitos

  • A hipnose é causada pelo poder do hipnotizador.
    Não, O poder é do paciente. O que o terapeuta faz é transmitir confiança e a partir disto facilitar que o paciente entre em transe.
  • Somente pessoas pouco inteligentes e muito sugestionáveis são hipnotizadas.
    Pelo contrário, pessoas inteligentes entram em transe mais rápido.
  • O hipnotizador controla o desejo do paciente.
    O paciente fica consciente durante todo o processo hipnótico, ele é apenas levado a acessar seu inconsciente e nele encontrar soluções.
  • A hipnose é perigosa e prejudicial à saúde.
    O transe hipnótico é vivenciado por nós em diversos momentos do cotidiano, mas muitas vezes nem se quer sabemos ou nos damos conta disso, e, portanto, ele não é prejudicial.
  • A pessoa pode não voltar do transe.
    No transe hipnótico o paciente fica consciente durante todo o processo e assim este é um receio que não procede.
  • A pessoa fica inconsciente no transe.
    O transe são os dois estados: consciente e inconsciente.
    Transe: O indivíduo tem acesso a memórias amnésicas, lembranças sutis, conteúdos que não teria acesso em vigília.
  • Uma pessoa hipnotizada revela seus segredos.
    O objetivo do processo hipnótico é de auxiliar o paciente em sua queixa e assim além do terapeuta não ter este objetivo, o paciente fica consciente durante todo o processo.

Metáforas

O uso de metáforas é usado pela sociedade desde a antiguidade, era muito comum dentre os filósofos gregos e até mesmo Jesus Cristo adotou as metáforas como uma de suas estratégias para os ensinamentos que queria disseminar.

Estas são um meio de comunicação indireta, que tem intenção de envolver em um processo de linguagem realizando uma analogia com a questão a qual se deseja falar a respeito. Tem como objetivo fazer com que a pessoa receba a mensagem de forma indireta e consiga relacioná-la com a situação quando compará-la a sua própria vida.

Ao utilizar metáforas, terminamos distraindo o consciente do sujeito e ativando sua mente inconsciente para que ela possa perceber as semelhanças.

Programação Neuro - Linguística

Este método surgiu na Califórnia (EUA) no início da década de 70, criado por Richard Bandler, matemático, Gestalt terapeuta e estudioso em informática, e por John Grinder, linguista especializado em gramática transformacional.

A PNL estuda o funcionamento do cérebro, da mente e da linguagem, de modo a compreender o modo pelo qual criamos nossos pensamentos, sentimentos, estados emocionais e comportamentos e, assim, a partir desta compreensão o método da PNL possibilita que o paciente direcione e aperfeiçoe todo este processo de pensar e agir.

As técnicas da PNL no processo psicoterapêutico permitem que o paciente passe a ter consciência e dominar os seus pensamentos, crenças, modelo de mundo, e assim, acontece um processo de reeducação destes processos com o paciente, que o leva a criar padrões de pensamentos positivos e saudáveis, que por sua vez, levam-no a conquistar estados emocionais e comportamentais mais criativos e eficazes, melhorando assim o sistema de comunicação do paciente, promovendo seu desenvolvimento pessoal e permitindo o alcance de quaisquer que sejam os seus objetivos.

Análise Transacional

A Análise Transacional (AT) é uma teoria criada por Eric Berne no final dos anos 50. A teoria possui um conjunto de técnicas para a mudança na qual o indivíduo tem a possibilidade de fazer uma escolha quando ao seu papel de ser humano.

O nome Análise Transacional foi dado por Berne devido ao seu interesse pela relação entre as pessoas, no qual ele estuda as trocas de estímulos e respostas entre os indivíduos criando então a AT como consequência dos seus estudos e pesquisas. Para Berne o indivíduo nasce com capacidade plena para obter sucesso e satisfação em suas próprias necessidades.

Berne ainda optou por usar termos simples na sua teoria, aplicando termos de linguagem de fácil acesso com conteúdo do uso cotidiano para que pudesse ser compreendido em qualquer circunstância. Além do que buscou fazer as suas teorias baseadas na maneira de relatar e agir dos seus clientes, com a intenção de que as suas teorias fossem facilmente demonstradas e colocadas em prática.

Conceitos Básicos da Análise Transacional

  • 1. Os Estados de Ego: É uma estrutura interna do indivíduo que se divide em três partes: Estado de Ego pai, Estado de Ego Adulto, Estado de Ego Criança (P, A, C) e são estas estruturas responsáveis pela formação da nossa personalidade e operam em conjunto padronizando nosso comportamento nas relações interpessoais. De modo simplório, o Estado de Ego Pai é aquele que reproduz os comportamentos semelhantes a das figuras parentais ou figuras de autoridade na infância, já o Estado de Ego Adulto se manifesta a partir dos dados da realidade concretos e observáveis, e por fim, o Estado de Ego Criança são as manifestações espontâneas de um estado mental ou comportamento presente na infância. A partir do momento em que tomamos consciência dos momentos em que estamos atuando em cada Estado de Ego há possibilidade nos comportarmos de uma melhor maneira em nossas relações.
  • 2. Transação: É a maneira com a qual nos comunicamos com outros indivíduos, a relação do estímulo-resposta, ou seja, é a comunicação realizada entre o Estado de Ego de uma pessoa com a de outra.
  • 3. Estruturação do Tempo: Berne descreve seis maneiras do ser humano estruturar seu tempo, pressupondo que está é uma necessidade básica realizada desde o nascimento. Ele denomina de Isolamento o estado emocional em que nos encontramos isolados, que pode ocorrer inclusive quando se está na presença de uma multidão. Já os Rituais são comunicações altamente estereotipadas e automatizadas que tem a função de reconhecer o outro, como por exemplo, as regras de cortesia e bons modos universais. A atividade é uma forma de comunicação simples que tem o objetivo de entrar em contato com a realidade e atuar nela, como por exemplo, realizar um trabalho, tomar uma decisão. Os passatempos, Como o próprio nome sugere, são empregados para se passar o tempo, e apesar de não se configurarem de um modo automatizado como os rituais, podem ter um aspecto repetitivo, utilizados em bate-papos em festas e situações de convenção social. Os jogos psicológicos se manifestam como uma armadilha ou uma isca que tem o objetivo em findar em um desfecho previsível, geralmente que causa um desentendimento ou um desconforto emocional. E por fim, a Intimidade se caracteriza pela espontaneidade, pela franqueza, sinceridade, empatia, aceitação, e se configura a mais gratificante forma dos relacionamentos sociais.
  • 4. Carícias: É uma das necessidades básicas do ser humano, a qual todos nós necessitamos. Compreende-se com esse conceito como e porque alguns indivíduos repetem alguns padrões de demonstração de afeto, seja ele positivo ou negativo. As carícias podem ser descritas como positivas quando geram sensação de bem estar e de negativas quando geram mal estar. A relevância deste conceito está na maneira como buscamos as carícias em nossos relacionamentos, o quão abundantes ou escassas elas estão, e quais são as justificativas para tão padrão de trocas de carícias que estamos estabelecendo em nossos relacionamentos.
  • 5. Emoções: Berne dividiu as emoções em: Emoções Autenticas e Falsas Emoções. Além de facilitar a compreensão das somatizações trazidas pelos pacientes para a clínica, a abordagem ainda colabora para que façamos a substituição das falsas emoções pelas autênticas emoções. Além disto, Berne propõe o reconhecimento e a habilidade em se lidar com cada emoção básica que todos os indivíduos saudáveis sentem e manifestam: a raiva, o medo, a tristeza, o amor e a alegria.
  • 6. Posição Existencial: É a maneira de nos percebermos em relação ao outro, nos valorizando ou desvalorizando de acordo com os nossos pares e não de acordo com nós mesmos e nossas atitudes. São posições que são tomadas principalmente com as vivencias da infância, momento no qual muitas questões são avaliadas com imaturidade e precariedade de raciocínio. Assim como os Estados de Ego, as posições existenciais são modificadas de acordo com cada situação e tomar consciência delas é fundamental para avaliarmos a forma como nos posicionamos nas nossas relações. Berne propõe de modo simples as seguintes posições: Eu não estou Ok – Você está Ok ; Eu estou Ok – Você não está Ok; Eu estou Ok – Você está Ok; Eu não estou Ok – Você não está Ok; Eu estou Ok + - Você está Ok + .
    Jogos Psicológicos: É um recurso não positivo, usado pelo indivíduo como ciladas ou truques que com a intenção de um final previsível que causam desconforto e mal estar. Berne, cita diversos jogos psicológicos, dentre eles, O Jogo Psicológico "Chute-me", revela o comportamento de um indivíduo está sempre fazendo por onde ser despedido, rejeitado e enfim, chutado, como por exemplo, se comporta mal na escola e não se dedica para ser reprovado, se comporta de modo grosseiro com os amigos e namoradas e sempre termina sozinho se questionando: "Por que será que isto sempre acontece comigo?". Os jogos psicológicos é um tema e uma ferramenta complexa, a qual a sua tomada de consciência o indivíduo conseguirá compreender o quanto estes podem ser prejudiciais a sua vida.
  • 7. Script de Vida: É um plano traçado inconscientemente para sua história de vida nos principais aspectos dela, que é construído desde a primeira infância de acordo com as suas vivencias e com grande influencia das figuras parentais. Os pais (ou substitutos) enviam mensagens de forma verbal ou não verbal que são recebidos pela criança que “decide” por obedecer principalmente por não ter outras informações. São injunções importantes para o indivíduo: "não viva", "não sinta", "não pense", "não cresça", "não seja você mesmo", "não faça", "não consiga" ("fracasse"), as quais o sujeito cresce seguindo e se comportando de acordo com estas injunções, muitas vezes sem sequer ter consciência delas.
  • 8. Triangulo dramático o triangulo dramático é representado por três papéis, o de Salvador, Perseguidor e Vítima, papéis estes utilizados para manter jogos psicológicos e por assim dizer, são papéis assumidos que causam prejuízos nas relações interpessoais. E assim, ao tomar consciência destes papéis o paciente e levado a mudança. O papel de Salvador no triângulo dramático é representado por pessoas altruístas, que se comportam fazendo “de tudo e mais um pouco” pelos outros, elas são generosas, e cooperativas, bem como são geralmente quem toma decisões, cuida dos problemas, e soluciona qualquer situação. Entretanto, a pessoa que representa o papel de salvador acaba esquecendo-se de si mesma, e passa a viver em função dos outros, de ajudá-los, de ampará-los e cuidá-los. Já o papel de Perseguidor, como o próprio nome sugere, é caracterizado pela perseguição que esta pessoa faz aos outros. Geralmente, este tipo de papel é manifestado por meio de broncas que os pais dão a seus filhos ou ainda pelas exigências do patrão com os serviços de seus funcionários. O Perseguidor é aquele que critica, põe defeito, desvaloriza o outro, é agressor, desrespeita, usa de ameaças, guarda ressentimentos e é vingativo. O papel de Vítima no Triângulo Dramático é representado por pessoas que sempre estão sendo oprimidas pelos outros, estando sempre por baixo, em uma posição de inferioridade. A Vítima caracteriza-se por ajudar, por colaborar com o opressor na medida em que se aceita como impotente. A vítima tem por objetivo deixar que os outros assumam a responsabilidade e ela baseia seus comportamentos em atos autodestrutivos, bem como em manipulações que fazem com os outros e, por meio da culpa que provoca neles através do jogo.
Terapia Cognitiva Comportamental

A Terapia Cognitiva foi uma linha de psicoterapia proposta por Aaron Beck (professor de psiquiatria nos Estados Unidos) e seus colaboradores, na década de 50. A proposta integra o modelo cognitivo de psicopatologia e um conjunto de técnicas baseadas diretamente nesse modelo.

Tem como objetivo a mudança de padrões de pensamento, para o qual criou técnicas e estratégias terapêuticas. Estudos e pesquisas mostram que sua proposta apresenta eficácia terapêutica. Além de ser uma abordagem que trabalha com resultados a curto prazo para os padrões de psicoterapia.

O primeiro passo é incentivar o paciente a compreender seus problemas para que juntos possam a partir de então encontrar uma nova maneira de enfrenta-los. Durante a Terapia, tenta-se ressignificar os conteúdos que geram emoções negativas, tentando propor que não é determinada situação ou estímulo que trazem certas emoções, mas sim a maneira como a situação é interpretada pelo sujeito.

Esta abordagem infere que os pensamentos influenciam os sentimentos, e os comportamentos também são influenciados por eles. Assim, os sentimentos e comportamentos e até as reações fisiológicas estão ligadas diretamente a maneira que interpretamos determinados estímulos.


Palestras

Formação Sadia da Infância à Adolescência: Posturas e Limites Perante o Papel Afetivo e Sexual.

Formação Sadia da Infância à Adolescência: Posturas e Limites Perante o Papel Afetivo e Sexual.

Duração: 1h30min

Esta palestra discute as posturas e os limites dos pais perante o exercício da sexualidade de seus filhos, bem como dá informações a respeito do desenvolvimento da sexualidade da criança de 0 a 15 anos, além de realizar reflexões a respeito dos mitos e curiosidades que cercam o tema Sexualidade. Também é discutido de que forma a mídia e os colegas exercem influência sobre o exercício da sexualidade de seus filhos, bem como qual é a maneira mais saudável para orientá-los.
Estilos Parentais: Quais são as práticas educativas que uso para disciplinar meu filho?

Estilos Parentais: Quais são as práticas educativas que uso para disciplinar meu filho?

Duração: 1h30min

Esta palestra é baseada nos quatro tipos de estilos parentais descritos por Lídia Weber (2005) e permite que os pais realizem uma reflexão a respeito de suas condutas e métodos que usam para disciplinar seus filhos, e ainda, discute outras questões como a qualidade da interação familiar, a importância do tempo em família, da existência de uma rotina, e das dificuldades mais frequentes que os pais se deparam em relação ao estabelecimento de regras e limites no seio familiar.

Mais Palestras


(34) 98403-1161 / (34) 99169-4849
Redes Sociais
Clínica Nitti Clínica Nitti / Uberaba-MG
Rua Alfén Paixão, 594 - Bairro Mercês
Clínica Ônix Clínica Ônix / Uberlândia-MG
Rua Prata, 915 - Bairro Aparecida